domingo, 23 de março de 2008

Poesia "Felicidade Nordestina "


FELICIDADE NORDESTINA
Antonio Ferreira de Oliveira (Ocires)

Parece coisa de menino
O que acontece no sertão.
É lindo ver o Nordestino,
Esquecer o seu destino,
Quando a água molha o chão.

Saindo da terra
Ou caindo do Céu,
Para ele? " Faz diferença Não. "
O importante é manter sua crença
Na terra que lhe dá o Pão.

Se ajoelha e agradeçe
A Deus, Nossa Senhora,
São João e São José.
Alegre, dá muitos vivas
Prá plantação que tá de Pé.

É belo ver a legumada crescendo
Seus olhos de lágrimas enchendo,
Quando lança o olhar,
Naquele vasto verdão.

Agora não tem tristeza.
Só o Rio, o Riacho e a correnteza
Lavando e banhando a plantação,
Tal qual o oxigênio e as artérias
Que irrigam o seu coração.

A felicidade é geral
E tome festa e festival
A esperança renasceu
E o Sertanejo se esqueceu
de deixar o seu TORRÃO.

Obs. Antonio Ferreira de Oliveira (Ocires)
Nascido em Farias Brito e filho de Antonio Loló

Colaborador: Carlos Airton de Oliveira

4 comentários:

Fátima Abreu disse...

Olá! tomei a liberdade de capturar a poesia Felicidade Nordestina para ser lida no programa Gonzagando, da rádio FM Assembléia que vai ao ar hoje, às 20 horas. Você pode acompanhar no site: www.al.ce.gov.br.

O programa é dedicado a Gonzaga e parceiros.

MARTINS PESCADOR disse...

Coisa de menino em terra que às vezes o menino precisa deixar de ser menino para enfrentar a vida dura. Belo poema!

Jose Junot Duarte disse...

Sou apaixonado por poesias de nordestinos, principalmente aquelas que falam da realidade do Nordeste, Que site bom.

Yuri Lacerda disse...

Agradecemos sua visita José Jonut e o elogio ao site. Sempre retorne por aqui!

Abraços!